© 2015 por Feliz com FA - Uma jornada de amor. Designed By Rita de Cassia Paz. Desenvolvido por RP Produções, AP Makeup Artist e Lógica Filmes

  • RSS - Black Circle
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Feliz com FA

 

Sejam bem vindos! Aqui no Feliz com FA vocês vão encontrar vídeos, textos, material educativo e novidades sobre o mundo dos alérgicos a alimentos. Espero que gostem e compartilhem com parentes e amigos! Dessa forma entenderão melhor esse novo universo.

Inscrevam-se no canal, curtam a fanpage e fiquem ligados!

Siga

As fórmulas e os bebês são iguais? O que serve para Chico serve para Francisco?

Oi mamães!

Esse assunto pode parecer antigo, repetido mas... sempre traz coisas novas!

Bom em primeiro lugar sempre digo que crianças NÃO SÃO APLV! Crianças não possuem rótulos!

Crianças fazem alergia a proteínas alimentares e nem sempre o leite é a única proteína que a criança reage. Por isso muitas mães fazem a exclusão do leite, trocam utensílios e os sintomas permanecem. Vale então observar que outros alimentos da dieta habitual podem estar provocando isso.

Proteínas alimentares possuem sequências de aminoácidos dispostas de forma a sinalizar o sistema imunológico de quem é alérgico. A essas sequências de aminoácidos dá-se o nome de EPÍTOPOS proteicos. Esses epítopos podem estar dispostos de formas semelhantes em diversas proteínas que compõem os mais diversos alimentos. Teve proteína na sua composição... esse alimento é potencialmente alergênico tenha certeza disso. 

Vários alimentos ainda tem essas sequências muitíssimo parecidas e a esses, atribui-se um risco de reação cruzada bem maior que os demais. Assim, proteínas do leite como CASEÍNA cruzam ou mesmo se parecem muito com proteínas  CONGLICININA da soja levando o sistema imunológico a confundir as duas e reagir a presença de ambas.

Vale lembrar também que o Leite Materno NÃO TEM SUBSTITUTO nos tratamentos das alergias, isso porque na verdade, células maternas passam informações importantes para as células do bebê que NENHUM outro LEITE industrializado vai passar. As fórmulas industrializadas fazem parte do tratamento quando o Leite Materno não é possível. Porém NADA como o Leite Materno para ajudar no processo fisiológico de adaptação do novo ser à vida. Ele vai ativar o trofismo intestinal, ajudar na composição da microbiota intestinal o que não podemos atribuir aos industrializados pois os mesmos não tem como fazer estas funções, mesmo que ainda tenha adição de uma único probiótico. Temos bilhões de bactérias em todo o trato digestivo e uma apenas não será a responsável por todos os benefícios. Não se tem indicação de suspensão de Leite Materno no tratamento das alergias alimentares. Cuidando da dieta e do intestino materno, beneficiamos os bebês.

 

Mas... até a gora o que tem a ver com o título?

 

A bem da verdade é que tenho visto que muita gente faz confusão com esses termos. Muita gente ainda acha que ter alergia a proteína do leite é como se o leite tivesse apenas uma única proteína e que todas as crianças irão fazer reação da mesma forma. Para isso vejo muitas mães acharem que QUALQUER fórmula pode ser usada e isso não é verdade!

A criança que faz alergia a proteína do leite na verdade, não faz alergia a uma única proteína não! Ela pode fazer alergia a uma, duas ou ate mais de três proteínas que encontramos no leite. O mais comum é encontrarmos crianças alérgica a uma das três principais proteínas alergênicas do leite e as que na verdade, a indústria teve interesse em hidrolisar e colocar na composição das fórmulas ditas "especiais".

O leite possui na sua composição cerca de 27 proteínas das quais 5 delas são caseínas e as demais são compostas por proteínas do soro que envolvem além da alfalactoalbumina e a betalactoglobulina muitas outras.

Essa fato é que nos deve chamar a atenção e para que não sensibilizemos os bebês a várias delas, são necessários pelo menos alguns exames para se identificar a que proteína o bebê foi sensibilizado.

Exames de IgE específicos para essas proteínas serão fundamentais na hora da escolha da fórmula.

Cada laboratório do mercado hidrolisa um tipo de proteína diferente. Então temos o laboratório que hidrolisa a betalactoglobulina, o que hidrolisa a alfalactoalbumina e o que hidrolisa a caseína e mais recentemente no mercado brasileiro temos um laboratório que hidrolisa e também complementa as proteínas do arroz. E por isso justamente é que digo... nem sempre Chico é igual a Francisco!

Sabendo disso, agora sabemos a importância de se identificar a que proteína do leite, dentre todas que ele possui o seu bebê foi sensibilizado e fazer então a escolha certa. Uma fórmula mesmo sendo extensamente hidrolisada é bem diferente da outra pois são feitas a partir de proteínas bem diferentes. O fato de ser uma formula extensamente hidrolisada não a põe na condição de igualdade. Seria IGUAL caso a mesma proteína fosse hidrolisada. Então agora sabemos que os laboratórios hidrolisam proteínas diferentes e que as fórmulas mesmo sendo extensamente hidrolisadas... NÃO SÃO IGUAIS. NÃO SE SUBSTITUEM. Quem toma uma, pode fazer reação a outra e assim por diante.

Caso você não saiba e fique no dança dança de fórmulas poderá aumentar as sensibilizações do seu bebê e dessa forma o bebê que talvez não fosse sensível a todas a proteínas do leite passe então a ser.

Muitas mães ficam com pena de fazer os exames, mas eu pessoalmente tenho pena quando vejo os bebês sendo sensibilizados a proteínas que talvez nem fossem alérgicos! 

É melhor para um bebê coletar sangue uma vez só que passar de 4 a 5 dias sofrendo com a presença de uma proteína indesejada no corpo.

Saber que proteína do leite causa as sensibilizações... poupa seu bebê de adquirir novas alergias.

 

Assim, antes de administrar qualquer fórmula para bebês, veja com o profissional que o acompanha a possibilidade de se saber a que proteína ele é sensível.

 

Please reload

Meu amor pelo que faço

Há 12 anos trabalho no SUS e me dedico de corpo e alma ao que faço. A minha missão: Conseguir orientar da forma correta o maior número de pessoas com relação às alergias alimentares e seus riscos.

Cuidar de crianças alérgicas envolve muito conhecimento, paciência e amor e isso eu tenho de sobra.

Fazer um bebê alérgico continuar sendo amamentado é uma conquista de equipe. Chegar a  tão esperada CURA, depende da união de todos. 


Aqui na página o envolvimento é de TODA a família! Mamãe, papai, vovô, vovó, a tia... e todos sempre juntos numa mesma luta para ganhar a grande batalha.

     

 Lembrem-se sempre!

Juntos somos mais fortes!

 

Sejam bem vindos e vamos aprender a ser Feliz com FA!

Please reload