© 2015 por Feliz com FA - Uma jornada de amor. Designed By Rita de Cassia Paz. Desenvolvido por RP Produções, AP Makeup Artist e Lógica Filmes

  • RSS - Black Circle
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

Feliz com FA

 

Sejam bem vindos! Aqui no Feliz com FA vocês vão encontrar vídeos, textos, material educativo e novidades sobre o mundo dos alérgicos a alimentos. Espero que gostem e compartilhem com parentes e amigos! Dessa forma entenderão melhor esse novo universo.

Inscrevam-se no canal, curtam a fanpage e fiquem ligados!

Siga

"Trabalhava com isso, mas a gente pensa que nunca vai acontecer com a gente! Como boa nutricionista estava orgulhosa em oferecer aleitamento materno exclusivo"

Modelo: Fernanda Feltrin de Melo, mãe da pequena Gabriela, diagnosticada com ALV aos 3 meses, moradoras de Salvador, Bahia.

Créditos da foto: papai Renato Bião de Cerqueira

 

Esse texto de hoje é mais que um texto, é uma experiência viva de como mesmo você tendo conhecimento na área, quando você é mãe... Você é mãe e acaba esquecendo tudo. O desespero bate à porta. A inexperiência abraça a insegurança ficando tudo nublado à sua frente como em dias de chuva. 

Trechos de uma história que teve final feliz, mas é preciso persistência e rapidez nas manobras. A Fernanda é uma colega muito mas muito querida e quando ficou grávida da Gabi seu mundo mudou. Sempre segura de tudo que explicava nas suas visitas, a Fernanda trabalhava com hidrolisados extensos, mas... parece que quando nos tornamos mães, esquecemos da missa à metade. 

Vejam aqui um dos trechos de uma conversa que tivemos sobre a história da Gabi. 

"Bom... Gabriela nasceu em 06 de outubro de 2015, super saudável... eu como boa nutricionista orgulhosa de estar conseguindo oferecer o aleitamento materno exclusivo. Sabíamos que eu e meu marido, ambos tínhamos história de alergia respiratória... mas como estava em aleitamento materno fiquei despreocupada".

A Nanda mesmo sabendo que tinha genética forte para alergias estava tão empolgada com a chegada da Gabi, que não conseguiu lembrar da relação que pais alérgicos tem com alergias alimentares no bebê. 

"Gabriela chorava muito e mesmo eu trabalhando na área a gente nunca imagina que vai acontecer com a gente, ela tinha um choro inconsolável e eu por inexperiência imaginava ser comum a essa idade, principalmente nos primeiros 3 meses de vida, pela cólica adaptativa que é muito comum nessa fase dos lactentes, até que comecei a perceber que as fezes começaram a ter muito muco e um dia percebi rajas de sangue... entrei em pânico".

Por estarmos tão felizes com a chegada do bebê e por tantos conceitos antigos com relação a adaptação do bebê à nova alimentação, costumamos "achar" normal choros intermitentes nessa idade. O leite Materno não é só um alimento, mas um fluido adaptador da nova condição gástrica do recém nascido, não provoca cólicas, é fisiologicamente preparado para estimulo do trato gastrointerstinal infantil. O que acontece é que temos que derrubar esses paradígmas antigos de que cólica em bebês é normal. Não é normal. A cólica é sinal de DOR. Chorinho fraco e rapidinho é sim uma forma dele se assustar com os novos movimentos intestinais, porém choros ininterruptos e fortes significam mesmo DOR. É muio comum bebês que estão sendo sensibilizados pelas proteínas infiltradas via leite materno ter um comportamento irritado ao mamar ao seio. Geralmente mamam pouco, viram a cabeça para traz e choram, algumas situações ainda afastam o seio. Choram copiosamente e sem consolo. Querem comer, mas sentem DOR e com isso vão reduzindo o volume das mamadas. Vão também dando preferências a outras coisa ofertadas inclusive água. 

"A Gabriela só tinha 2 meses quando fui orientada a fazer a dieta de exclusão. Como estava em aleitamento materno exclusivo, fui orientada a fazer a dieta de exclusão e aí pude sentir na pele toda a dificuldade que as mães que tem filhos com ALV passam. Parece que nada na face da terra existe sem leite, TUDO vai leite na composição e não é tão fácil como se imagina encontrar produtos sem a proteína do leite, com uma dieta super restrita minha produção de leite começou a cair e tive então que complementar com fórmula extensamente hidrolisada".

Dietas de exclusão geralmente são orientadas apenas que se façam exclusões de alimentos alergênicos sem que se tenha um direcionamento por exames. Percebo que não é prática direcionar a dieta por meio dos exames e isso torna a vida da mamãe muito difícil. Sem saber o que excluir, vão se excluindo alimentos sem um direcionamento, simplesmente por se caracterizar como alimentos mais alergênicos. Na verdade, esquece-se de que, quem determina a alergenicidade do alimento é o Sistema Imunológico de quem recebe à proteína. O Sistema Imunológico do recém nascido é quem vai determinar quais os epítopos específicos que ele fará reação e com isso cair por terra todas aquelas exclusões clássicas. Sabendo como direcionar, a dieta fica menos suprimida. Trocando técnicas de cocção e proibindo a ingestão de alimentos que dificultem a quebra proteica a alergenicidade de proteínas infiltradas no leite materno reduz a zero.  Alimentos fritos e assados nunca, nem pensar! Esse tipo de preparação aumenta a resistência de quebra proteica. Folhas, não são bem vindas numa dieta que não pode conter alérgenos pois não quebramos folhas. Frutas muitas delas precisarão passar por processo de cozimento. Com acompanhamento adequando a DIETA de EXCLUSÃO é totalmente possível. 

"Fui acompanhada por um gastropediatra daqui de Salvador maravilhoso, o Dr. ... não sei se posso falar o nome dele pois o mesmo não me autorizou, onde tive muito apoio e orientação.  A Gabriela só tinha 2 meses. Foram 5 meses muito difíceis, de amor e muita doação e saber que hoje ela pode comer tudo, me deixa aliviada" 

Quanto mais precoce e bem direcionada as restrições são, mais rápido o bebê consegue a tolerância que precisa. 

" Minha família maravilhosa como sempre, aprendeu a inovar nas receitas para que eu não ficasse de fora dos almoços em família, dos aniversários... hoje sei o que mães em dieta de exclusão passam e sei de todas as dificuldades, são verdadeiras guerreiras na batalha de ver seu filho crescer saudável e sem sofrimento. Lembrando sempre que a EXCLUSÃO deveria ser do LEITE, não da SOCIEDADE, mas no mundo onde vivemos onde as pessoas banalizam a alergia alimentar, muitas vezes a EXCLUSÃO acaba sendo mesmo da SOCIEDADE"

O apoio familiar é extremamente importante. Crianças alérgicas também reagem a inalação e toque. O "chegar junto" envolve eliminar riscos para que a mãe não se sinta insegura nem excluída. Nessa faze mesmo sem alergias alimentares para controlar a mulher necessita de apoio e quando então a alergia aparece, essa necessidade dobra. O apoio do marido, dos familiares próximos e dos amigos é FUNDAMENTAL. A alergia alimentar existe e mata. Tira a qualidade de vida de toda a família. Quanto mais rápido for diagnosticada e as medidas para tratamento ou controle forem tomadas, o quadro não se agrava. Se as exclusões forem feitas de forma a realmente nem traços existirem na dieta, rapidamente o corpo infantil se recondiciona. Dieta mal orientada dificulta a cura e promove novas alergias.

Reforço um trecho da minha conversa com a Fernanda:

" Minha família maravilhosa como sempre, aprendeu a inovar nas receitas para que eu não ficasse de fora dos almoços em família, dos aniversários... hoje sei o que mães em dieta de exclusão passam e sei de todas as dificuldades, são verdadeiras guerreiras na batalha de ver seu filho crescer saudável e sem sofrimento. Lembrando sempre que a EXCLUSÃO deveria ser do LEITE, não da SOCIEDADE, mas no mundo onde vivemos onde as pessoas banalizam a alergia alimentar, muitas vezes a EXCLUSÃO acaba sendo mesmo da SOCIEDADE"

 

Mais informações e mais interesse.

 

Menos julgamento e mais ajuda!

 

Please reload

Meu amor pelo que faço

Há 12 anos trabalho no SUS e me dedico de corpo e alma ao que faço. A minha missão: Conseguir orientar da forma correta o maior número de pessoas com relação às alergias alimentares e seus riscos.

Cuidar de crianças alérgicas envolve muito conhecimento, paciência e amor e isso eu tenho de sobra.

Fazer um bebê alérgico continuar sendo amamentado é uma conquista de equipe. Chegar a  tão esperada CURA, depende da união de todos. 


Aqui na página o envolvimento é de TODA a família! Mamãe, papai, vovô, vovó, a tia... e todos sempre juntos numa mesma luta para ganhar a grande batalha.

     

 Lembrem-se sempre!

Juntos somos mais fortes!

 

Sejam bem vindos e vamos aprender a ser Feliz com FA!

Please reload